Pandemia: um desafio para o setor da saúde

Pandemia deixa lições importantes para quem lida com gestão de saúde

Foto de Karolina Grabowska no Pexels

Desde março de 2020, quando a pandemia da Covid-19 aterrissou de vez nas vidas de todas as pessoas, o desafio de combatê-la foi imperioso na rotina das unidades de saúde espalhadas pelo País, caso da Santa Casa de Chavantes e todos os locais administrados por intermédio de sua OSS.Empenho de profissionais, emprego de aparelhagem adequada, cuidados e protocolos sanitários. A soma de todos esses itens ajudou decisivamente na tentativa de amenizar o quadro que apresentou por longo tempo sinais de recrudescimento.O período deixou lições que poderão (e deverão) nortear os trabalhos de quem lida com gestão de saúde. Foi um enorme duelo cotidiano contra problemas constantes – muitos inéditos – e vitórias diante de desafios impostos pela pandemia, deixando grandes legados para o segmento. Apesar de tudo, o balanço é positivo.“A pandemia de Covid-19 nos forçou a acelerar diversos processos dentro da Santa Casa de Chavantes. Tivemos que fazer maior uso de tecnologia, como a Telemedicina. Além disso, foi necessário investir e reestruturar os setores de Recursos Humanos e Departamento Pessoal, devido às peculiaridades envolvendo as relações trabalhistas”, exemplifica Anis Mitri, presidente da Santa Casa.

Desafio na pandemia

Não bastasse isso, a Organização Social de Saúde formada pela Santa Casa de Chavantes assumiu de maneira emergencial diversos equipamentos do setor no Estado de São Paulo. Um desafio – ou melhor, vários – dentro de outro que atingiu todo o globo. E que teve de ser tratado com gestão.Para isso, foi necessário o recrutamento de um enorme time de administradores hospitalares, médicos e equipes assistenciais. Profissões diferentes, mas algo os une além do local de trabalho. Todos viveram uma experiência e tanto para um grande número de profissionais, que permite usos, costumes e conclusões para ficarem por todo o sempre no vocabulário e na mente de todos.“Hoje a equipe entende que, para vencermos, precisamos estar unidos e alinhados. Também é possível ver que, de maneira geral, os colaboradores se tornaram ainda mais humanos, além de resilientes e engajados”, afirma o presidente.

Cuidado desde o início

Quando o cenário ainda era de muita incerteza, bem no início da pandemia de Covid-19, as administrações da Santa Casa de Chavantes e das outras unidades de saúde geridas pela Organização Social de Saúde trataram de agir com extrema rapidez. Nem poderia ser diferente. No entanto, a pressa não foi inimiga da perfeição. Longe disso. Tudo foi executado tendo como base uma palavra: cuidado.“A primeira coisa que fizemos foi acolher, acalmar e proteger nossos colaboradores. Criamos treinamentos de usos corretos de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), contratamos empresas de Medicina e Segurança do Trabalho, além de adotarmos protocolos e normas para resguardar quem estava na linha de frente”, detalha.Uma dessas providências – certamente a fundamental – era a vacina contra a Covid-19. Os pesquisadores, então, usaram todo o seu conhecimento para entrarem em ação e, em esforço mundial de vários laboratórios, a solução acabou sendo arquitetada até em tempo recorde, levando em conta vacinas para combate de outras moléstias.Logo que o tão aguardado imunizante foi finalmente liberado pelas autoridades, a administração acompanhou de perto todo o processo. Junto às secretarias de saúde com as quais trabalha diretamente, tratou imediatamente de providenciar a imunização prioritária dos funcionários. O resultado não poderia ser outro que não em favor da vida.“Desta maneira, conseguimos motivar nossas equipes e, felizmente, não tivemos nenhum óbito de colaborador que trabalha diretamente conosco”, completa o presidente.

Hábitos para sempre

A pandemia de Covid-19 pode ter apresentado diminuição e certos hábitos, como o uso das máscaras, foram flexibilizados, mas existem práticas que podem seguir sendo implementadas diante de qualquer quadro. Afinal, o recrudescimento desta ou de qualquer doença que venha a existir é possível em qualquer época. “Mantivemos uma cultura forte de saúde e segurança do trabalho. Aumentamos em mais de 15 vezes o investimento nesse setor. Fazemos de perto a gestão laboral, além de realizar treinamentos frequentes de boas práticas, higiene e uso correto de EPIs”, reforça.Em meio a um trabalho que naturalmente segue forte, o impacto ocorrido com esta experiência única, em especial no segmento dos gestores, revelou e evidenciou uma série de comportamentos necessários em qualquer ambiente de trabalho e suas consequências.“A pandemia revelou de fato quem são os gestores engajados e comprometidos com as boas práticas de saúde. Os desafios impostos pela Covid-19 foram os maiores enfrentados pelas equipes de saúde no último século”, define o presidente.Anis Mitri acrescenta que foi possível sentir na pele a importância de equipes comprometidas e treinadas, além do uso de tecnologias. A dura realidade, intensificada pela pandemia, teve benefícios que sempre serão lembrados. “O racionamento de equipamentos e falta de insumos e medicamentos fez com que se evidenciasse ainda mais a importância do uso de protocolos gerenciáveis, bem como do uso racional e eficiente dos materiais e medicamentos”, completa.Acesse o site da Santa Casa de Chavantes e confira outras informações importantes sobre saúde.

Comments are closed.